Prevenção de Perdas e a Crise no Brasil

Com a crise instaurada no Brasil muitas companhias do segmento do varejo estão remando contra a batalha da prevenção de perdas e estão extinguindo ou mesmo reduzindo a área de prevenção de perdas e a tendência nesse período é que as perdas aumentem em patamares insustentáveis para as companhias.

Essa miopia atual da alta direção e dos executivos combinada com a falta de visão holística, sistêmica e estratégica pode levar as companhias a um caminho sem volta.

Não adianta nada extinguir ou reduzir a área de prevenção de perdas no “achismo” se suas perdas não estão controladas ou se mesmo se você não tem conhecimento e visibilidade das suas perdas. Mesmo que suas perdas estejam controladas em um índice satisfatório  qualquer mínimo descuido no controle das perdas podem ocasionar profundos impactos e aumentar as perdas exponencialmente do dia para a noite.

 

Logo as companhias terão diversas consequências:

 

  • Aumento das perdas
  • Custo com Demissão
  • Custo com Recontratação
  • Custo Treinamento
  • Perda de conhecimento e experiência no negócio
  • Disponibilidade no mercado (profissional prevenção de perdas muito visado)

 

Como disse o Abilio Diniz “não é porque não estamos vendendo temos que mandar pessoas embora e sim reestruturar as empresas.”

 

Quem saber inovar e controlar melhor as suas despesas, custos e perdas sairá na frente diante ao pessimismo do mercado, maximizando os lucros e criando um diferencial e uma vantagem competitiva perante a concorrência (players), tendo maior poder de barganha com os fornecedores e vender produtos com preços mais competitivos, uma que suas perdas estarão controladas.

 

Pentágono de Perdas OficialA metodologia do Pentágono de Perdas que são Pessoas, Processos, Auditoria, Tecnologia e Indicadores além de ajudar a companhia a controlar melhor as suas perdas e ter disciplina nos processos, tem que estar no DNA e na CULTURA das companhias, todos sem exceção devem vivenciar diariamente e incessantemente a Prevenção de perdas no negócio.

 

As companhias estão esquecendo que estamos nos últimos 5 meses para fechar os resultados e o balanço patrimonial e que podem amargar:

 

  • Queda na Margem de Lucro
  • Prejuízos
  • Falta de crescimento e competitividade

 

Prevenção de perdas não é somente furto interno e furto externo e sim uma área estratégica que contribui para a maximização dos lucros.

 

Nesse momento as companhias devem controlar os seus indicadores de perdas  de uma forma mais rigorosa e disciplinada refletindo diretamente nas operações.

 

O que a prevenção de perdas podem contribuir para o seu negócio?.  

 

  • Perdas de estoque (furto interno, furto externo, quebras operacionais (avaria e validade), fraudes de terceiros, excesso de mercadorias, mercadorias sem giro, mercadorias obsoletas e etc).

 

  • Perdas financeiras (roubos e assaltos, inadimplência, golpes, fraudes interna e externa desvios e diferenças na frente de caixa, atrasos, juros e impostos devidos e indevidos, duplicidade de pagamentos, multas, sinistros, preço incorretos e etc).

 

  • Perdas legais fiscalizações diversas, processos trabalhistas, processos tributários, processos de clientes (CDC), processos de fornecedores e etc).

 

  • Perdas administrativos (desperdícios agua, luz, energia, suprimentos, telefonia, manutenção por mau uso e etc).

 

  • Perdas comerciais (rupturas, compras e negociações erradas, desenvolvimento do produto, produtos sem aderência pelos consumidores e etc).

 

  • Perdas de produtividade (fila no caixa, fila no açougue, fila na padaria, funcionários demasiadamente na internet, redes sociais, whatsapp e burocracias em geral e etc).

 

  • Perdas de clientes (mau atendimento de clientes, insatisfação e credibilidade na empresa, falta de produtos, trocas, garantias, entregas de produtos e pós venda e etc).

 

  • Perdas recursos humanos (contratação incorreta de funcionários, turnover, absenteísmo, excesso de jornada, intrajornada, conhecimento e experiência, clima organizacional, horas extras desnecessárias,
  • banco de horas, segurança do trabalho e etc).

 

  • Perdas de produção (desperdícios em geral, estoque, superprodução, defeitos produtos, refugos, espera, movimentação / retrabalho, setup, processamento, transporte e etc).

 

  • Perdas logísticas (recebimento de mercadorias, armazenagem, gestão de estoque, devoluções, separação de mercadorias, conferência eletrônica, faturamento, expedição, transporte e etc).

 

Elencamos abaixo os principais indicadores de perdas no varejo :

 

  • Quebras operacionais (avarias e validade)
  • Erros operacionais
  • Furtos internos e Externos
  • Rupturas
  • Inventários (geral, rotativo e acuracidade dos estoque)
  • Fraudes de fornecedores

 

Observação: Esses indicadores são requisitos básicos (mínimos) para a gestão da área de prevenção de perdas.

 

Com certeza no próximo ano os índices de perdas divulgados nas pesquisas ABRAS, IBEVAR, NIELSEN irão bater recordes nos percentuais de perdas, porém ainda da tempo de reverter essa situação não deixando as perdas canibalizar os seus lucros.
Porque existem empresas que crescem na crise…? Porque como diria aquele famoso bordão… É na crise que surgem as grandes oportunidades.

 Exibindo RODRIGO.JPG

Autor: Rodrigo Canal, 19 anos de experiência em varejo em áreas como Prevenção de Perdas, Fraudes, Auditoria, Operações em Lojas e Operações Logísticas, em grandes redes.

 Atualmente é Gerente de Operações e Prevenção de Perdas da Cambuci (Penalty/Stadium).

3 comentários em “Prevenção de Perdas e a Crise no Brasil

  1. GOSTARIA DE SABER MAIS DE PREVENÇÃO E PERDA NO SETOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO ATUA NA AREA A 6 ANOS EM VAREJO ATACADISTA E 01 ANO NO RAMOD E MATERIAIS DE CONTRUÇÃO E TUDO PAR O LAR GOSTARIA DE OBTER MAIS INFORMAÇOES A RESPEITO DE PREVENÇÃO E PERDAS DESSES SETORES OBRIDADO

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.